Tam. da fonte

Quando o casamento acaba

Estou casada h√° 15 anos. Tenho um casal de filhos ‚Äď 12 e 9 anos. Meu casamento n√£o atravessa uma fase boa. Por que muitas pessoas casadas insistem em continuar casadas mesmo conscientes de que o casamento fracassou? M√°rcia Darlene, S√£o Paulo

Quando o casamento acabou?

 

Por que muitas pessoas casadas persistem em continuar casadas mesmo quando percebem que o casamento acabou? Muitas vezes no consult√≥rio me fa√ßo essa pergunta assistindo a sofridas situa√ß√Ķes que se arrastam por anos a fio.

Pensar em acabar com o casamento é tão angustiante que, às vezes, leva o paciente a interromper a terapia, para não continuar se questionando sobre esse ponto. Tudo isso indica que há algo profundo envolvido, que não deve ser tratado com superficialidade.

Antes de analisar mais atentamente essa questão, gostaria de desfazer um preconceito, bastante comum, sobretudo entre as mulheres. Separar-se é difícil e sofrido não apenas para as mulheres, mas também para os homens. Assim como as mulheres lutam para manter sua relação no casamento, muitos homens também lutam, às vezes de maneira desajeitada, para continuar casados.

A separação de fato é sempre percebida como um fracasso: um sonho se desfaz e fica uma amarga sensação de perda. Por difícil que seja o convívio, permanece a sensação de que algo vai se perder. O convívio com os filhos, as conquistas de anos de vida representam perdas reais. Mas a sensação de perda é ainda mais aguçada quando envolve aspectos idealizados, que encobrem a percepção da realidade.

Mas como enfrentar uma eventual separa√ß√£o? Uma primeira quest√£o importante √© identificar se o que est√° dificultando a rela√ß√£o √© de fato irremedi√°vel ou se √© algo que pode ser consertado. Por exemplo, √© comum as pessoas pensarem que se h√° algum tipo de ‚Äútrai√ß√£o‚ÄĚ envolvida, o casamento acabou. No entanto nem sempre isso √© verdade.

Na terapia com casais a trai√ß√£o reconhecida por um dos parceiros muitas vezes ajuda o outro a perceber o quanto ele tamb√©m desistiu da rela√ß√£o, de forma mais sutil e menos declarada, mas n√£o menos dolorosa para o c√īnjuge.

O ‚Äúreconhecimento‚ÄĚ dos aspectos falhados da rela√ß√£o e a possibilidade de cada um assumir a sua parcela de responsabilidade √© fundamental. De forma geral, √© raro que um casamento acabe apenas por ‚Äúculpa‚ÄĚ de um dos parceiros.

O que dificulta a manuten√ß√£o de um casamento √© quando n√£o h√° nenhuma possibilidade de di√°logo que leve a identificar os pontos ‚Äúfracos‚ÄĚ da rela√ß√£o e a responsabilidade di cada um nesse processo. Quando um dos c√īnjuges assume o papel de v√≠tima e coloca o outro no papel de carrasco √© muito dif√≠cil pensar que um casamento possa continuar.

Outra questão importante que costuma fazer com que uma relação seja mantida mesmo quando ela é percebida como sendo frustrante e destrutiva são os filhos, como no caso da nossa leitora. Este é outro lugar comum que a maioria das pessoas considera difícil de ser superado.

N√£o h√° d√ļvidas de que os filhos sofrem com o processo de separa√ß√£o dos pais. Mas o que traumatiza a mente humana n√£o √© o sofrimento em si e sim a impossibilidade de que esse sofrimento seja ‚Äúreconhecido‚ÄĚ por uma testemunha qualificada, no caso os pr√≥prios pais.

N√£o h√° nada pior e mais traumatizante do que fingir que nada aconteceu, que tudo est√° bem, tanto no caso de uma separa√ß√£o como no caso da manuten√ß√£o de um casamento que envolve cont√≠nuas brigas, viol√™ncias verbais ou f√≠sicas e situa√ß√Ķes humilhantes para um ou ambos os parceiros.

O esfor√ßo dos c√īnjuges para ‚Äún√£o ver‚ÄĚ que o casamento acabou pode ser t√£o traumatizante para os filhos como a separa√ß√£o. O primeiro passo √© reconhecer que o problema existe e tentar encar√°-lo da melhor forma poss√≠vel.

Mas por que isso √© t√£o dif√≠cil? Por que a maioria prefere prolongar essas situa√ß√Ķes por anos a fio? As raz√Ķes podem ser muitas do ponto de vista pr√°tico. Uma das mais importantes costuma ser a incerteza que a separa√ß√£o imp√Ķe rompendo com as rotinas do casal, criando problemas de moradia e de car√°ter financeiro. No entanto, acredito que a dificuldade maior seja devida ao fato que para a psique a ang√ļstia do conhecido √© sempre menor do que a ang√ļstia do desconhecido.

Comments  

 
# RE: Quando o casamento acabajannis 2012-09-18 15:52
me ajuda meu esposo nao gosta mais de mim foram 15 anos de casados e 04 filhas e eu estou muito depresssiva
Reply | Reply with quote | Quote
 
 
# RE: Quando o casamento acabaMarcelo 2013-07-08 23:29
regina navarro lins faz um tipo de apologia à infidelidade e divórcio, vc concorda com ela, vc acha que os conselhos dela servem para todas as pessoas de forma generalizada, como ela faz ?
Ali√°s ela n√£o serve de espelho e mesmo assim algumas mulheres a idolatram.
Reply | Reply with quote | Quote
 
 
# Minha respostaRG 2013-07-09 19:48
Creio que meu artigo deixe muito claro que n√£o pretendo fazer nenhum tipo de apologia; Por sinal n√£o conhe√ßo a posi√ß√£o de Regina Navarro, apenas acho que nesse tipo de situa√ß√Ķes qualquer decis√£o √© dif√≠cil , seja manter o casamento como optar pelo div√≥rcio. O importante √© que a decis√£o seja tomada conscientemente, sabendo das dificuldades que ela comporta.
Reply | Reply with quote | Quote
 
 
# RE: Quando o casamento acabaAndré 2013-11-27 11:21
EU NÃO ACREDITO EM RESTAURAÇÃO DE CASAMENTO QDO O CONJUGE NÃO SE ESFORÇA EM MUDAR PARA MELHORAR.
Reply | Reply with quote | Quote
 
 
# N√£o aguento maisLis 2014-01-08 14:30
Tenho um relacionamento a cerca de seis anos. Sendo quatro de namoro e dois de casados. Meu mundo caiu quando ele me traiu. e eu vi tudo da pior maneira poss√≠vel. O tempo passou voltamos mas ainda lembro e relembro fico triste, me sinto feia, mau mesmo. As vezes n√£o deixo que ele perceba mas as vezes ele v√© no meu rosto... √Č de repente meu peito chega queimar s√≥ de lembrar. O que fa√ßo? S√£o tantas brigas, xingamentos. Gosto muito dele e sei que ele gosta de mim. Mas esperava mais.
Reply | Reply with quote | Quote
 

Add comment

O seu comentário será publicado após verificação.
Your comment will be published after verification.


Security code
Refresh

Roberto Girola

Criar seu atalho A psicanálise cura? Introdução à teoria psicanalítica

Promova sua página também Perguntas a um Psicanalista

Promova sua página também